Infelizmente a desinformação acerca deste assunto é um dos maiores problemas na vida de um TDAH, principalmente porque se o transtorno não for identificado precocemente, possivelmente o futuro social e acadêmico dessa criança ou adolescente poderá ser comprometido.

Se você buscou por esse tema, provavelmente tem um filho ou conhece uma criança que apresenta resistência à regras, que não consegue ficar parada, que parece não ter noção de perigo durante as brincadeiras, parece não ter “filtro” para falar ou que se distrai com facilidade, costuma perder objetos pessoais, não conclui as suas atividades, é distraída, desastrada, e que ainda, pode estar apresentando dificuldades de aprendizagem.

Quando crianças, elas costumam ser “rotuladas” como pestinhas, diabinhos, rebeldes, mal-educadas ou desastradas, indisciplinadas, desajeitadas, e por aí vai. Mas o TDAH não é um problema de natureza social nem ocasionado por falta de limites. Muito tem se ouvido falar no TDAH atualmente, mas não pense que é algo novo ou que é coisa da moda, pois esta ideia está equivocada.

É importante também ressaltar que TDAH não é sinônimo de hiperatividade, pois algumas pessoas ainda confundem. Tem crianças com TDAH que são tímidas e introspectivas, que apresentam inclusive grande dificuldade de relacionamento e não apresentam hiperatividade. Então, vou explicar melhor o que vem a ser o TDAH.

O que é TDAH?

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico, que pode ser de causas genéticas ou de aspectos ambientais (prematuridade, sofrimento fetal, gestantes que fazem uso de drogas, álcool, tabaco, etc.), que aparece na infância e frequentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida.

De acordo com a classificação atual do Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM-V), existem três tipos de TDAH, caracterizados por sintomas de desatenção, impulsividade e hiperatividade física e mental, podendo em alguns casos predominar a desatenção, em outros predominar a hiperatividade e impulsividade, ou ainda, o tipo combinado, em que os sintomas se manifestam simultaneamente.

Tipo desatento

A criança ou adolescente com TDAH do tipo desatento pode esquecer de realizar tarefas básicas cotidianas, como prestar atenção ou planejar as atividades do dia, não conseguir se concentrar por muito tempo em atividades que exijam esforço mental prolongado, pode ter dificuldades com regras, prazos, rotinas, organização, persistência, atenção a detalhes e erros, perder e esquecer objetos, e muitas vezes, parecer estar com a cabeça em outro lugar.

Contudo, não costuma apresentar dificuldades com tarefas ou atividades que lhe proporcionem prazer e que o mantenha motivado, portanto, dependerá do contexto e de seu gosto por aquilo que está sendo proposto. Por exemplo, poderá ficar por horas na frente do computador, se for algo que goste muito de fazer.

Tipo hiperativo/ impulsivo

O TDAH do tipo hiperativo e impulsivo pode apresentar sintomas como não conseguir parar quieto ou ficar sentado por muito tempo, se movimentar o tempo todo, ter dificuldade em esperar, costuma pular etapas e realizar as atividades de forma acelerada com intenção de concluí-las mais rapidamente, pode ter atitudes impulsivas, além de se expor a situações de perigo frequentemente. Constantemente é inconveniente, fala demais, interrompe enquanto os outros falam e responde antes que a pergunta seja efetivamente concluída.

Em suma, os sintomas de hiperatividade e impulsividade costumam ser percebidos na pré-escola, mas o TDAH é identificado com mais frequência no período de ensino fundamental, quando a desatenção começa a prejudicar o desenvolvimento.

E, embora persistam algumas dificuldades na vida adulta como inquietude, impulsividade, desatenção e falta de planejamento, quando se tem hiperatividade, ela pode ficar menos evidente com o passar dos anos.

Todos esses sintomas podem ser sinal do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, mas apenas profissionais da área podem diagnosticar se uma pessoa tem o TDAH, que é um transtorno de difícil diagnóstico devido à sua complexidade.

Além da necessidade do envolvimento de profissionais de diversas especialidades, deve ser realizado um trabalho de conscientização em relação ao transtorno junto aos familiares.

E você? Conhece alguma criança ou adolescente assim? Identificou alguns dos sintomas relacionados em seu pequeno que estão prejudicando o seu desenvolvimento? Então busque auxílio profissional para descartar a possibilidade ou proporcionar a ele um desenvolvimento mais saudável.